destaques

Luís Esteves e Rui Barbosa: das disputas pela Europa ao rendimento das balizas da elite

Luís Esteves e Rui Barbosa: das disputas pela Europa ao rendimento das balizas da elite

1 Abril, 2017
Atualidade

Luís Esteves e Rui Barbosa: das disputas pela Europa ao rendimento das balizas da elite

Ederson Moraes e Iker Casillas serão dois dos nomes mais fortes para a decisão do jogo entre SL Benfica e FC Porto neste sábado e que pode ajudar a decidir a Primeira Liga 2016/2017 – Encarnados e Dragões estão separados por um ponto (64 e 63 pontos, respetivamente). No condão das balizas, Luís Esteves e Rui Barbosa impulsionam os momentos que poderemos ver no relvado do Estádio da Luz a partir das 20h30.

Na equipa técnica das Águias desde o verão de 2016, Luís Esteves tomou o desafio do rendimento progressional de Ederson Moraes, também com a manutenção das capacidades de Júlio César e Paulo Lopes. Ligado ao seniores do Vitória SC desde 2012, o treinador de guarda-redes de 41 anos contribuiu para a impulsão das capacidades de Douglas Jesus e até ao surgimento de Assis Giovanaz, que em 2014/2015 chegou a assinar dezasseis jogos na Liga e a ter participação ativa em vários resultados dos Conquistadores. Além de conseguir solidificar Douglas Jesus entre os valores mais chamativos das balizas de Portugal, Luís Esteves criou a Escola de Guarda-Redes do clube e viu guardiões como Miguel Oliveira, André Preto, Miguel Palha ou João Miguel Silva chamar a atenção da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Com Rui Vitória venceu a Taça de Portugal em 2012/2013 pelos Vimaranenses e lutou pelos lugares Europeus.

Emparelhado no desafio da última linha, em Vila do Conde, encontrava-se Rui Barbosa que iniciou a propulsão da baliza do Rio Ave FC também em 2012/2013 trabalhando com Jan Oblak – atualmente no Atlético de Madrid após representar o SL Benfica -, e… Ederson Moraes, que hoje enfrentará pela segunda vez na defesa das redes adversárias. Nessa temporada, este disputaria oito jogos enquanto o Esloveno se destacava. Em 2013 a concorrência de Romain Salin, Stanislav Kritciuk e Hugo Ventura fez Ederson Moraes crescer em 28 encontros com o aliciante da meta Europeia: os Vilacondenses qualificaram-se para a Europa League onde o Brasileiro registou um número impressionante de defesas na derrota frente ao Dínamo Kiev – treze, conforme O Mundo dos Guarda-Redes registou -, e nem mesmo a experiência de Cássio Anjos limitou a ascensão do jovem. Cumpriu mais 28 jogos e transferiu-se para a Luz enquanto o ainda número 1 dos Rioavistas assinava em 2015/2016 uma das temporadas mais prolíficas sob a alçada de Rui Barbosa desde a sua chegada a Portugal.

À entrada para 2016/2017, tanto Rui Barbosa como Luís Esteves ingressaram na corrida para a conquista da Primeira Liga com desafios pessoais diferentes e renovados: o primeiro tornou-se responsável pela re-consolidação de Iker Casillas como um dos nomes fortes da Europa enquanto o defensor da baliza Encarnada manteve a linha ascensional de Ederson Moraes e tem em si o rendimento em que vários olhos da Elite se concentram.